MIT desenvolve célula de energia solar ultraleve

Pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos Estados Unidos, apresentaram o que acreditam ser a mais leve e fina célula de energia solar já produzida. Extremamente delicada, a célula pode ser instalada, praticamente, em quaisquer tipos de superfícies e dispositivos, tendo sido testada, inclusive, sobre uma bolha de sabão sem estourá-la.

Ainda que leve anos para que a produção da célula de energia solar chegue às vias comerciais, a descoberta pode revolucionar o mercado de smartphones e outros gadgets, permitindo o fornecimento de dispositivos carregáveis através de energia solar e eliminando a necessidade de carregadores e cabos – tudo isso sem acréscimos significativos no peso dos aparelhos.

Célula de energia solar sendo posicionada sobre uma bolha de sabão sem estourá-la

Propriedades da nova célula solar

Após anos de testes com diferentes materiais e técnicas, os pesquisadores utilizaram um filme flexível de polímero orgânico transparente e insolúvel, chamado parileno, para a produção da primeira camada da célula de energia solar. O parileno é semelhante aos filmes plásticos utilizados em cozinhas, mas apresenta espessura dez vezes menor.

A célula fotovoltaica foi aplicada sobre esta película e revestida por uma camada final de parileno, criando uma estrutura em sanduíche ultrafina de proteção da célula a sujeira e danos exteriores.

De acordo com Vladmir Bulović, professor do MIT envolvido no projeto, a chave da criação foi fazer com que a célula solar, o seu revestimento e o substrato que a suporta fossem produzidos em um ambiente a vácuo ao mesmo tempo, em um único processo, reduzindo a exposição do processo em comparação à produção separada dos componentes, o que poderia degradar o desempenho da célula.

Ieska Tubaldini Labão

(O texto consta no Portal Ambiente Energia e é de autoria minha; como foi um texto que demonstrou bom desempenho no portal, resolvi passá-lo pela avaliação do professor. Além disso, acrescentei algumas técnicas SEO que aprendi na aula e não constavam no texto original, como a questão do alt na imagem)

Assuntos relacionados:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>